De todas as coisas que mais um ano pandêmico poderia me trazer, eu não esperava que seriam jogos de tabuleiro seriam a coisa que voltaria com força pra minha vida. Não só voltei a estudar game design e participar de comunidades de designers, mas voltei a jogar bem mais também! Claro que as plataformas digitais (como o Tabletopia, o Tabletop Simulator e o Board Game Arena) ajudaram muito pra conhecer novos jogos e se divertir mesmo que não fosse com os amigos do lado, mas pelo menos a gente tava se divertindo, né?

Ano passado, eu fiz só uma lista de “melhores do ano”, só com jogos digitais. Esse ano, aproveitando o blog novo, vamos pra uma lista em 2 partes: jogos de tabuleiro, e jogos digitais. Essa é a primeira parte, com os 10 MELHORES JOGOS DE TABULEIRO/CARTAS QUE JOGUEI EM 2021. Lembrando que não são jogos lançados esse ano, mas que eu joguei pela primeira vez esse ano.

10) Dream Home

2019, Galápagos Jogos (Brasil) - edição física

Dream Home

Por mais que tivesse de olho fazia um tempinho, acabou sendo por acaso que consegui pegar uma cópia de Dream Home, um jogo simples mas bem divertido e fofinho cujo objetivo é construir a sua casa dos sonhos. É legal ver que mesmo com mecânicas simples, o jogo tem variedade suficiente pra você ter diferentes estratégias e diferentes formas de vencer. As decorações dos cômodos como pecinhas cartonadas tem um charme todo especial, que combina com a arte das cartas também. Ele só perde uns pontos comigo por ser basicamente um jogo de cartas mini que tem uma caixa enorme e difícil de carregar.

09) Mysterium

2016, Galápagos Jogos (Brasil) - versão digital

Mysterium

A melhor definição pra Mysterium é como se fosse um filho estranho entre Dixit, Codenames e Clue/Detetive. Enquanto quase todos os jogadores são médiums tentando entender o crime que aconteceu em uma mansão mal-assombrada, o último jogador é o espírito da vítima, tentando se comunicar por meio de visões estranhas e confusas. Eu sempre gostei muito de Dixit pela criatividade e pela possibilidade de expressão que ele permite, mas ver cartas com desenhos surreais sendo usadas para um jogo de dedução cooperativo foi uma grata surpresa. A versão digital, que foi como joguei, também funciona muito bem e vale muito a pena.

08) Bandido

2019, PaperGames (Brasil) - edição física e versão BGA

Bandido

Esse ano eu comecei a descobrir meu gosto por jogos pequenos mas extremamente elegantes, que fazem muito com pouco: esse tipo de jogo vai ser bem frequente nessa lista, então nada melhor do que começar com Bandido. É uma proposta tão simples, mas ao mesmo tão divertida, que funciona bem até mesmo solo. É legal como a montagem dele é ridícula de simples, então não é algo que dá tanto trabalho pra jogar sozinho. O único problema da versão física é que precisa de uma mesa bem grande, por isso fica também a recomendação do jogo no Board Game Arena.

07) Welcome To: Seu Lar Perfeito

2019, Ludofy/Grok Games (Brasil) - versão BGA

Welcome To: Seu Lar Perfeito

2021 também foi meu ano de conhecer mais jogos de rolar e escrever/roll & write (e até mesmo fazer o meu primeiro) e de todos eles, Welcome To acabou me conquistando pelo uso inteligente das cartas e pela quantidade enorme de caminhos pra vitória que ele tem. A ideia de construir sequências de números ao mesmo tempo que você pensa quais bônus você vai escolher é bem divertida e vale dar uma olhada. Eu me diverti bastante na versão do Board Game Arena, mas é um jogo que com certeza está na minha lista de compras pro ano que vem. É uma pena que a continuação do jogo (em Las Vegas) seja excessivamente complicada e nem vai chegar perto de entrar nessa lista.

06) Project L

2021, Galápagos (Brasil) - mod de TTS

Project L

Outra mecânica que eu comecei a apreciar demais esse ano (e não vai ser a primeira vez dela na lista) é a de construção de mesa / tableau building e Project L não poderia ter me conquistado mais. Afinal, tem poucas coisas mais legais que resolver quebra-cabeças pra conseguir mais pecinhas pra resolver mais quebra-cabeças ainda. Definitivamente é um que queria conseguir comprar e ter fisicamente porque deve ter um valor de mesa muito legal, mas o mod no Tabletop Simulator funciona até que bem e foi bem divertido de jogar. Quem sabe ano que vem não aprendo as expansões do jogo.

05) Gataria

2022, Galbs Games - versão Tabletopia

Gataria

Eu sou suspeito pra colocar Gataria por causa do meu envolvimento com o jogo, mas foi uma das coisas que eu mais me diverti jogando esse ano. Gatinhos disputando com magias tentando conseguir uma vaga no coraçãozinho da bruxinha Petúnia não poderia ser um tema mais fofo pro jogo. Todo o foco na movimentação dos gatinhos cria situações muito legais e muito interessantes, mesmo com uma baixa complexidade de ações. Criado pelo grande amigo Fernando Cunha e financiado em menos de 24h, a versão física dele deve chegar ano que vem e eu não posso esperar; mas, enquanto isso, a versão no Tabletopia tá muito bem feita e dá pra aproveitar bastante o jogo já.

04) Race for the Galaxy

2014, Galápagos (Brasil) - versão BGA

Race for the Galaxy

É uma pena que toda a arte e, principalmente, toda a iconografia seja bem datada (pra não dizer feia), porque Race for the Galaxy é um jogaço! Sim, existe uma curva de aprendizado um pouquinho mais difícil do que devia pela quantidade de ícones, mas tudo nele funciona muito bem: a seleção de fases que vão ser realizadas na rodada, a sinergia entre todas as cartas, as diferentes estratégias. Não é o tipo de jogo que eu teria fisicamente pelos grupos que eu jogo, mas a versão do Board Game Arena é muito bem feita e funciona pra suprir a minha vontade de jogar ele de tempos em tempos.

03) Entre Linhas

2021, PaperGames (Brasil) - edição física

Entre Linhas

Esse ano foi a primeira vez que eu joguei boardgames com a minha mãe (algo que eu fiquei muito, muito animado) e Entre Linhas não foi o jogo preferido dela a toa. De uma forma extremamente inteligente, ele consegue trazer a ideia de associação de palavras elegantemente, com alta interação de jogadores e ainda de forma cooperativa. É incrível como é praticamente impossível ter partidas com as mesmas respostas, porque tudo sempre muda bastante. Se você gosta de Codenames/Código Secreto, provavelmente é a sua pedida para uma experiência diferente, mas não tanto assim.

02) Kariba

2020, PaperGames (Brasil) - edição física

Kariba

Comentei no começo da lista sobre meu interesse por jogos pequenos e elegantes e Kariba não poderia ser um exemplo mais perfeito pra essa categoria. Com regras muito simples, ele consegue criar momentos interessantes em partidas onde qualquer um pode jogar. Ele é o jogo perfeito pra levar na mochila, contar sobre e passar uma hora jogando várias partidas seguidas. Além disso, a arte é muito fofinha e um destaque a parte, assim como o laguinho de quebra-cabeça. Essa linha Pocket da PaperGames tem muita coisa que me interessa e provavelmente vai aparecer em mais listas no futuro.

01) Sprawlopolis

2020, FunBox Editora (Brasil) - edição física

Sprawlopolis

Sprawlopolis me conquistou de uma forma que eu até gravei um mini podcast sobre ele. Ele tem muita profundidade e diferentes formas de pontuação pra um jogo com apenas 18 cartas ― não a toa que já faz anos que sou completamente fissurado pelos “jogos de carteira” da Button Shy, editora original do título. A versão brasileira ainda traz 4 expansões (que somam mais 18 cartas) que dão ainda mais possibilidades pra um jogo quase infinito. Tem muito valor dentro de um pacote muito pequeno e Sprawlopolis não foi só meu boardgame favorito do ano, como um exemplo profissional do que um dia quero criar como game designer.

Menções Honrosas

Aqui vão alguns jogos que acabaram não entrando no Top 10, mas que valem a pena um comentário agora como menções honrosas:

  • Por causa das ferramentas digitais, eu acabei jogando muito Azul e Potion Explosion com diferentes grupos de amigos esse ano, ao ponto de se tornarem jogos favoritos meus. Só não entraram na lista por eu não ter conhecido eles em 2021, mas vale demais a nota aqui.
  • Nesse ano, eu me tornei um feliz usuário Premium do Board Game Arena e acabei testando muita, mas muita coisa mesmo, principalmente no modo por turnos. Enquanto alguns jogos acabaram sendo bem legais, como CuBirds, Automobiles e Onitama, alguns passaram longe do meu gosto, como as péssimas partidas de Viticulture que tive.
  • Ao convite do grande amigo Mestre Tahlen (@tahlenhexus), eu joguei alguns jogos mais pesados no TTS esse ano ao vivo na Twitch: você pode assistir eu jogando Great Western Trail e Ilha dos Dinossauros nas gravações no YouTube.
  • Eu joguei muitos protótipos nos encontros da Oficina do Playtest Online (que agora faço parte da organização) e torço muito pra que vários jogos que joguei por lá se tornem produtos nos anos que se seguirem!

Eu fiquei muito feliz em poder voltar a jogar mais jogos de mesa esse ano e espero que ano que vem isso continue - e quem sabe poder falar mais sobre meus próprios jogos! Caso você não tenha visto, olhe a outra lista de jogos digitais. Um Feliz Natal, um Feliz Ano Novo e que venha um 2022 mais calmo pra todo mundo!