(esse texto, originalmente, foi postado no meu Medium em 2013, no auge do meu Ensino Médio. Com o blog novo, decidi trazê-lo para cá. Alguns outros textos no blog também estão nessa situação de re-post, mas espero que aprecie!)

São poucos os sonhos que tenho e consigo me lembrar depois, principalmente se faz tempo que isso aconteceu. Mas esse ficou na minha cabeça como um grande WTF. Na verdade, eu ainda não entendi como eu consegui sonhar nisso.

Na realidade, eu nem lembro se a história foi exatamente assim — ou se eu sonhei que tive um sonho. De toda forma, se encaixa aqui.


Me recordo que era um dia frio. Não congelando, mas eu tinha que usar uns dois cobertores antes de dormir. Eu devia ter uns 8 ou 10 anos, algo perto disso. E, como de costume (tanto que faço isso até hoje), fui dormir. Travesseiro, cobertor um, colchão, cobertor dois, porta fechada, luz meio acesa: apaguei.

E por um bom tempo, vi apenas preto no sonho. Como se tivesse uma televisão desligada, pronta para passar uma grande produção cinematográfica. E seria realmente uma grande produção, algo bem explosivo. Ou, no mínimo, quente.

A única coisa que apareceu foi um… dragão. Depois apareceu outro. Começaram a voar pela escuridão e começaram a soltar fogo. E continuaram a fazer isso. E eu não estava lá com eles - era como se eu estivesse apenas vendo a cena numa tela.

De toda forma, minha infância me levava a ficar assustado com a situação e considerar aquilo como um pesadelo. Acordei e chamei minha mãe. Ela pegou, me abraçou, falou aquele básico “foi só um sonho, fica calmo” e me levou de volta pra cama. Ah, sim, ela colocou a mão na minha testa e a única coisa que ouvi foi: “Nossa, filho, como você tá quente”! Foi só medir e pronto: eu estava com febre.

Se os dragões tinham alguma coisa a ver, eu não sei. Mas eu gosto de pensar que tinham. Ou foi só uma coincidência, vai saber.